sábado, 8 de outubro de 2011

burgo

Meu velho burgo dormido
meu berço de heras
poeira húmida
de secos orvalhos
minha lembrança
de presságios não cumpridos
Meu regaço de penas
minha brisa alada
burgo meu cais
donde não parto nem volto
aceno de asa
sem mastros de largada
minha água
de sede crestada
burgo meu destino
de fugir e restar
sem haver partido.


Fernando Namora, in Nome Para Uma Casa (Lisboa, 1984)






Sem comentários:

Enviar um comentário